Internação Involuntária

Internação Involuntária

Internação Involuntária

No último domingo do dia 02/06/2019 foi ao ar uma reportagem no Fantástico que diz respeito a polêmica lei antidrogas escrita pelo atual ministro da Cidadania, Osmar Terra. Suas considerações sinalizam para a possibilidade de Comunidades Terapêuticas receberem de forma involuntária usuários que não conseguem parar o uso de substâncias de forma autônoma, necessitando assim de ajuda especializada.

Há muitos anos, o tema é tratado de forma obscura, baseado em uma série de preconceitos que permitem confundir leigos, sendo através de julgamentos contra os usuários ou até mesmo contra os familiares que necessitam desse apoio. Também há muito tempo que as drogas veem proliferando seus males, atingindo pessoas de diferentes idades e classes sociais, evoluindo de maneira tão destrutiva que fez até mesmo a depressão perder o posto de doença do século para a adicção, podendo tão logo se transformar numa pandemia.
Penso que a decisão de modificar a lei é acertada e serve para combater de maneira firme o tráfico de drogas e tratar o dependente, oferecendo de modo digno uma escolha da qual a droga não pode ter mais peso, pois sob efeito de tais substância(s) o indivíduo NÃO é capaz de discernir se quer ou não parar de usar. Esperar que o mesmo decida por sua vontade é insensatez, insano e impróprio, pois tudo está em uma razão simples e científica: o elevado número de dopamina no cérebro faz com que o prazer pela droga seja maior que qualquer outra experiência já vivida, sendo assim, seu consciente perde forças na ação contra a droga.

Ajudar uma pessoa usuária de drogas nunca foi fácil e nunca será, mas cruzar os braços nos torna coniventes a uma situação que se tornou insustentável. O Brasil perde dezenas (talvez centenas) de pessoas por dia que morrem em decorrência do uso, sendo de maneira direta ou indireta.
O tratamento só dá certo quando feito de abstinência total! Redução de danos é para quem se cansou de tentar brigar na balança: Vontade vs. Tolerância Zero.

Entendam que o assunto ainda é alvo de muitas informações desencontradas, mas para aqueles que ainda tem dúvidas, basta perguntar para algum familiar de vítima das drogas qual é a melhor solução! Abstinência total!

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *